Pastora feminista de Maceió afirma que a Bíblia tem um grande problema na sua origem


      Publicidade  



      Publicidade  


Que a Bíblia é o livro mais atacado do mundo é evidente, porque nenhum foi tão debatido. Umas das coisas que houve nas últimas semanas foi o desligamento do pastor Ed René Kivitz da igreja Batista de Água Branca, afirmando que a Bíblia deve ser atualizada, causando grande debate no seio evangélico.

Ideias similares foi apresentada pela pastora feminista Odja Barros, Afirmando que a “Bíblia tem um grande problema na sua origem, no texto.” Mas uma das grandes polêmicas que a pastora vem causando é por celebrar o casamento de duas mulheres.

Nessa situação a pastora de 28 anos de pastorado, que celebrou vários casamentos comuns, fez o seu primeiro com duas mulheres. Feito na cidade de Maceió, Alagoas, foi um dos primeiros casamentos por um pastor da igreja Batista. Lembrando que a maioria da igreja não aceita essa celebração e que nem todas existem pastoras.

Pastora faz casamento gay

 

      Publicidade  

 


Publicidade


O que aconteceu foi o resultado de uma convicção de como acredita na Bíblia. O resultado foi uma ideia de que não é errado casar pessoas do mesmo sexo, “afirmando que foi o seu sonho fazer a primeira celebração homoafetiva de sua vida com duas mulheres.”(UOU)

Além da celebração criar uma grande polêmica, as declarações só apimentam ainda mais os debates com aqueles que são mais conservadores, e que estudam a Bíblia com os olhares dela mesma como autoridade acima de todas as coisas.

A pastora Odja Barros defende tanto a causa feminista como movimento LGBTQIA+, para ela toda essa busca vem com maior dificuldade e se sente honrada em celebrar tal casamento.

O pensamento da pastora com relação às escrituras sagradas difere do modo como a maioria entende, que a Bíblia interpreta ela mesma. Ela  afirma haver problemas na origem do texto, e que há uma mistura com a cultura patriarcal.

Para a pastora, “essa ligação da cultura patriarcal com o texto bíblico pode ser separada, como trigo e joio, utilizando ferramentas adequadas para isso”. (UOL)

      Publicidade  

Para muitos teólogos esse pensamento da pastora é um grande problema no modo como a Bíblia deve ser compreendida. Sendo assim, rebaixam a norma divina para melhorar os resultados.

Uma coisa que se vê muito em redes sociais é muitos pastores e membros entrando em conflito com a ideia da pastora. Isso vem ocorrendo em várias formas de veículos de mídia social, como jornais, YouTube, Facebook, etc.

Resultado  da atitude foi expulsão

O resultado de toda essa história da pastora Odja Barros da Igreja Batista do Pinheiro, foi a expulsão da Convenção Batista, por não aceitarem casamento homoafetivo e participação como membros, sendo gays.

O casamento tinha várias ideias políticas, foi colorido e com participantes evangélicos, espíritas, ateus  e outros grupos. Embora muitos deles ficaram admirados pelas palavras da celebração, nada concorda com as escrituras, que vem sendo estudado com uma tesoura do lado.

Pelo que parece esse movimento feminista está crescendo, uma pesquisa da Data folha, 2019, mostra que Cerca de 40% das católicas e 38% das evangélicas brasileiras se declararam feministas. Então o debate vai ficar mais acirrado a cada momento.

      Publicidade  

Deixe seu comentário de fé abaixo