A família de uma adolescente com morte cerebral declarada pelos médicos acreditava que era possível um milagre e reuniu-se para cantar hinos na sala em que a jovem estava hospitalizada.

O resultado do gesto de fé foi relatado pelos maiores portais de comunicação dos Estados Unidos: a adolescente acordou e já começa a arriscar algumas palavras.

A imprensa não hesitou em descrevê-lo como um verdadeiro milagre, porque a estudante Lexi Hansen, de 18 anos, tinha apenas 5% de chance de sobrevivência quando foi internada no hospital depois de viajar muito.

“Quando eu a trouxe, os médicos deram a ela menos de 5% de chance de sobrevivência”, disse Doug Hansen, pai de Lexi. “Eles nos disseram para ligar para nossa família e rapidamente trazê-los de volta, porque não vai demorar muito”, acrescentou.

Com danos cerebrais graves, Lexi foi testado para morte cerebral, mas seus pais decidiram não desligar o aparelho. Depois de alguns dias, a jovem acordou no último domingo, 9 de março, enquanto seus parentes cantavam hinos ao seu redor.

Você acredita em Milagre?

“Tivemos uma aventura incrível hoje”, escreveu membros da família na fanpage Pray for Lexi no Facebook. “Lexi abriu os olhos e os manteve abertos por quase uma hora quando cantamos hinos para ela como uma família.” Enquanto cantávamos, ela gesticulou “eu te amo”, movendo o braço para que todos pudessem ver.

Então ela pegou as mãos de cada pessoa individualmente para que ela pudesse abraçá-las. Nós não poderíamos cantar por causa das lágrimas fluindo em seus rostos. Nós sabíamos que estávamos testemunhando um milagre “, diz a nota.

A mãe de Lexi, Marcia Hansen, descreve sua filha como uma guerreira: “Todo dia é um milagre todos os dias, houve zero por cento quando foi encontrado e 1% no dia seguinte”. Ainda há algumas coisas que não temos certeza, mas quase tudo é positivo “- ele estava comemorando.

O dia depois de acordar Lexi, o tubo de respiração foi removido e agora você pode respirar sem a ajuda de aparelhos. Segundo a LifeNews, ela começou a conversar e começou a fisioterapia.