Estudante de teologia punido por professora após se referir a Deus como ‘Ele’

Anúncios

Mais um caso envolvendo questões de ideologia de gênero acontece, dessa vez, em um curso de teologia na Califórnia(EUA).

Tudo isso se tornou destaque devido a uma professora do curso, ela não  gostou do aluno se referir a Deus com o pronome masculino várias vezes “Ele”. Para ela, o aluno usou uma linguagem que não é neutra, sendo uma ofensa à ideologia de gênero.

Existe uma ideia de linguagem neutra sendo propagada por movimentos LGBTQIA+. Questão que está sendo assunto de debate aqui no Brasil e outros países.

Estudante de teologia punido por professora após se referir a Deus como ‘Ele’

O aluno da Loyola Marymount University (LMU), não teve o seu nome revelado.“Ele afirma que pontos  de sua nota foram retirados, devido ter usado pronome masculino para se referir a Deus”. (Gospel +)

Essas situações estão se tornando comuns, acontecendo vários debates nas redes sociais, além de provocações.

Anúncios

A estudante não gostou dessa situação, totalmente desnecessária, porque, afirma, que a Bíblia apresenta Deus como o pronome masculino em diversas partes. A questão que envolve aqui, faz remeter a pergunta, “onde está a tolerância daqueles que argumentam que deve haver tolerância”.

O fato é que a professora Cecilia Gonzalez-Andrieu não gostou de tal referência, onde Deus é apresentado como homem. (The college fix)

Para o aluno, independente da quantidade que  repetiu o pronome, isso não contradiz nenhuma regra de gramática.

A situação não ficou assim, o estudante resolveu mandar um e-mail para a professora, afirmando que era injustiça tirar pontos, porque estava se referindo a Deus como a Bíblia também o faz.

Ele ainda afirma: “Sinto-me alvo de seu comentário, pois fui criado na igreja com a crença de que Deus é um homem”. (Gospel +)

Anúncios

A professora não quis detalhar muito a resposta que deu, mas afirmou que já havia falado que, nas rodas de rodapé é possível falar a outros leitores. Então, o que foi exigido para ser avaliado o artigo era escrever no rodapé os motivos de preservar o pronome masculino para Deus.

Essa situação não foi aceita pelo estudante, porque não vê como necessidade explicar os motivos.

Como as condições de rever o artigo estavam sob essa situação, houve protesto da parte do jovem.

O caso veio à tona com mais força porque o estudante era pertencente à Loyola Marymount University College. Então os republicanos do California College fizeram questão de expor a situação. (The college fix)

Embora os apelos foram muito fortes, não houve uma resposta como esperado. Além disso, o estudante não queria ficar com nota baixa, então enviou tudo conforme a professora pediu, com as notas de rodapé.

Porém, o caso foi bem destacado, onde o grupo de republicanos que o estudante participava disse que não deveria haver essa situação. Para eles, se trata de uma violação.

Will Donahue, porta-voz do California College, vê a situação como uma violação à liberdade religiosa e ainda uma heresia, porque é um colégio católico. Por isso, não é atitude tolerável.

As contradições em certas medidas do professor é um problema, porque há limites para certas atitudes. Deve haver uma coerência nas próprias ideias de tolerância. Se não acontecer isso, fará com que limites sejam desrespeitados, virando embates desnecessários.

Deixe seu comentário de fé abaixo