Bahia tem 58 cidades submersas e igrejas levam ajuda às comunidades


      Publicidade  



      Publicidade  


As calamidades estão a todo momento fazendo parte dos noticiários, seja no norte ou sul do mundo. Em nosso país o que vem tomando notícia é as cidades submersas da Bahia. Infelizmente, moradores vêm sendo impactados com ondas de chuva e rompimento de barragem.

Diante de cenas como essas, aparece a ajuda humanitária, várias igrejas surgem, unidas, ajudando diversas pessoas, que em alguns casos perdem até familiares.

“A quantidade de pessoas desabrigadas são muitas, mais de 430 mil atingidas, o número de mortos chega a 18, tudo isso devido a tempestades que ocasionaram alagamento.” (CNN Brasil)

Cidades do sul da Bahia são arrasadas por tempestade

Uma das atuações no local é da ADRA( Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais). Estão atuando para ajudar pessoas ilhadas em diversos lugares, algumas em lugares com mais difícil acesso, pontes derrubadas e vários fatores que prejudicam o trabalho. No dia 12 dezembro, enviou 43 mil litros de água potável para o município de Jucuruçu.

      Publicidade  

A emergência foi piorando diariamente, o estado emergência foi declarado em 70 cidades, das quais 52 estão no mínimo parcialmente submersas, algumas somente é possível ver o telhado.


Publicidade


Uma situação de calamidades que envolve tanta a cidade como a Zona Rural, que se estende da região de Jequié a Jiquiriçá. As medidas estão sendo tomadas pelo Governador da Bahia, Rui Costa, assinando dia 26 de dezembro decreto que coloca várias cidades em estado de emergência.

A medida tomada pelo governador é boa porque deixa aberta toda forma de contribuição que possa ajudar as pessoas e reconstruir a cidade. Sendo assim, abre portas para todo o serviço, tanto de autoridades como de igrejas.

Uma abundância de helicóptero sobrevoa as regiões afetadas, que pode aumentar. Muitas cidades afetadas, grande extensão territorial e milhares de casas inundadas, torna uma situação aterrorizante, precisando de mais aeronaves.

Toda forma de voluntários, quer seja dos órgãos públicos, igrejas, ONGs, estão sendo bem vindos nesse momento. Os necessitados estão aumentando a cada dia, precisando de todos que oferecem a mão. A defesa civil calcula, 16.001 desabrigados, 19.580 desalojados, 286 feridos e dois desaparecidos.

Ação constante das igrejas

Toda vez que surgem situações como essa, igrejas agem para ajudar as pessoas e colaborar para a melhora de todos afetados. Fato que vem acontecendo com ajudas da ADRA da igreja adventista, Convenção Batista Baiana (CBBA), Assembleia de Deus de Nova Alegria, Igreja Universal e várias outras.

      Publicidade  

As igrejas oferecem aquilo que podem no momento, algumas têm certas ações próprias para isso, outras se movem, arrecadando alimento.

Muitas campanhas foram feitas para recolher alimentos e produtos de higiene. Sendo entregue o mais rápido possível aos afetados.

Cidades como a de Jucuruçu, uma das mais afetadas, está tendo atenção muito redobrada, por isso, igrejas trabalham muito nesses lugares.

Essa ação social também leva questões espirituais para os moradores, que estão em estado de choque, pasmos com as perdas, numa tragédia que não estavam esperando.

Os membros dessas igrejas têm a tarefa de auxiliá-las, mostrando que Jesus se preocupa com elas, mesmo que anos de trabalho possam ter sido desmoronados em vários dias de chuva.

      Publicidade  

Deixe seu comentário de fé abaixo